Please use this identifier to cite or link to this item: http://localhost:8080/handle/123456789/622
Title: Volatilização do hcn e determinação do ponto de feno em ramas de mandioca (manihot esculenta crantz).
Authors: Silva, Maxuel Alves da
Abstract: A mandioca pertence à família Euphorbiaceae, sendo utilizada tanto para alimentação humana como para forrageamento de animais. É considerada uma excelente planta forrageira devido à sua capacidade de produzir raízes feculentas e uma grande quantidade de ramas. Este é o relatório dos resultados de dois estudos utilizando ramas de mandioca. O experimento foi conduzido na fazenda Nossa Sra. das Candeias, localizada no município de Cruz das Almas-Bahia, Brasil, no período de 02 a 06 de dezembro de 2002, sendo as análises laboratoriais realizadas nos Laboratórios de Fisiologia Vegetal e de Tecnologia de Alimentos da EMBRAPA/CNPMF. O objetivo do primeiro estudo foi verificar a influência de dois processos e de cinco tempos de secagem sobre a volatilização do ácido cianídrico, em ramas de mandioca (Manihot esculenta Crantz) da variedade “Cigana-preta”. O experimento foi realizado em um delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2x5, sendo dois processos de secagem (ao sol e à sombra), ambos sobre lona plástica de cor preta, e seis tempos de desidratação (0, 9, 18, 27, 36 e 45 horas), com cinco repetições. Os tratamentos de secagem induziram a diminuição dos teores de HCN das ramas. Entretanto, aqueles em processo de secagem ao sol retiveram um maior teor de HCN, em relação àqueles à sombra, que apresentaram os menores teores. A secagem das ramas ao sol, sobre lona plástica de cor preta, mantém teores de ácido cianídrico em níveis considerados tóxicos para animais até o período de quarenta e cinco horas de secagem. O segundo experimento foi realizado em um delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2x15, sendo dois processos de secagem (ao sol e à sombra), ambos sobre lona plástica de cor preta, e quinze tempos de desidratação (0, 3, 6, 9, 12, 15, 18, 21, 24, 27, 30, 33, 36, 39 e 42), com quatro repetições. A forragem desidratada pelo processo 1 (secagem ao sol), atingiu o ponto de feno com 21 horas de exposição, e o material desidratado pelo processo 2 (secagem à sombra), alcançou o ponto de feno com 30 horas de exposição. O processo de secagem ao sol produz feno em menor tempo de exposição, reduzindo gastos com mão-de-obra e com infra-estrutura de secagem. 1 Contudo, como foi verificado no primeiro estudo, o feno produzido pela desidratação de ramas ao sol, até 45 horas de exposição, ainda apresenta teor de HCN em nível tóxico para os animais.
Cassava belongs to Euphorbiaceae family, being utilized for human and animal feeding as well. It is considered an excellent forage plant due to its capacity to produce feculent roots and a great deal of foliage. It is reported the results of two studies using cassava foliage. The experiments were carried out in Nossa Senhora das Candeias farm, located in Cruz das Almas, Bahia, Brazil, in the period from December 02 to 06, 2002 and the laboratorial analyses were done in the Plant Physiology and Food Technology laboratories of EMBRAPA/CNPMF. The objective of the first work was to verify the influence of two processes and five times of drying upon HCN volatilization of cassava foliage (Manihot esculenta Crantz) of Cigana black variety. It was used a completely randomized design in a factorial scheme (2x5) with two drying processes (under sun and at shade), both on black plastic sheets, and six times of drying (0, 9, 18, 27, 36 and 45 hours) with five replications. The drying treatments caused a reduction of the HCN contents of cassava foliage. However, the ones submitted to drying under the sun presented a greater HCN content as compared to the ones at shade, that showed the least HCN contents. The drying process of the cassava foliage under the sun, on black plastic sheets, caused retention of the HCN contents on levels considered toxic to animals until 45 hours of drying. In the second work, it was used a completely randomized design in a factorial scheme (2x15) with two drying (0, 3, 6, 9, 12, 15, 18, 21, 24, 27, 30, 33, 36, 39 and 42 hours) processes (under sun and at shade), both on black plastic sheets, and fifteen times of drying with four replications. Foliage dehydration by process 1 (under the sun) achieved the hay point with 21 hours of exposition; and the one dried by process 2 (at shade) got the hay point with 30 hours of drying. The drying process under the sun produces hay with less time of drying reducing the labor expense and use of installation facilities. However, as it was observed in the first work, hay made from dehydration of cassava foliage under the sun for 45 hours still have HCN content in toxic level to the animals. So, taking into consideration the HCN content 1 as well as the time to achieve the hay point, it is advisable to dehydrate cassava foliage at shade.
Keywords: Mandioca
Ramas de mandioca
Manihot esculenta crantz
URI: http://hdl.handle.net/123456789/622
Issue Date: 18-Sep-2013
Appears in Collections:CCAAB - Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MAXUEL ALVES DA SILVA.pdf212,85 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.