Please use this identifier to cite or link to this item: http://localhost:8080/handle/123456789/627
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSouza, Warli Anjos de-
dc.contributor.otherMargarido, Mario Antonio-
dc.contributor.otherPereira Filho, Carlos Augusto-
dc.date.available2004-
dc.date.issued2013-09-18-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/123456789/627-
dc.description.abstractDurante muito tempo, o protecionismo agrícola vigorou no Brasil. A existência de preços únicos ou monitorados pelo governo contribuiu para que grande parte dos produtores de grãos não se preocupasse com as condições do mercado, deixando a responsabilidade da administração dos preços a cargo do poder público. Com a diminuição da intervenção governamental e a falência dos estímulos financeiros destinados à agropecuária, os agentes deste setor devem buscar novos instrumentos de financiamento para a produção e comercialização e utilizar mecanismos de administração de riscos, tanto os de produção quanto os de preço. O presente trabalho analisa o uso de mercados futuros na Bahia. O primeiro capítulo aborda a efetividade do hedge no agronegócio café na praça de Vitória da Conquista e a relação de longo prazo entre o mercado físico e a BM&F, no período de 1995 a 2002. Uma regressão, tendo como variável explicativa o preço futuro, foi utilizada no modelo. Os resultados mostram que o hedge do café é efetivo em Vitória da Conquista, mas que não existe uma relação (equilíbrio) de longo prazo entre o mercado físico e a BM&F. Em seu segundo capítulo, o estudo direciona-se à commodity soja em grão, e a região de estudo o município de Barreiras, a análise refere-se ao ao período de 1996 a 2000. Assim como o primeiro capítulo, esse paper XI focaliza a efetividade do hedge da soja em grão na praça de Barreiras e a relação de longo prazo entre o mercado físico e a BM&F. Os resultados mostram que o hedge da soja em grão não é efetivo, mas que existe uma relação de equilíbrio de longo prazo entre a praça de Barreiras e a BM&F.pt_BR
dc.description.abstractFor a long time agricultural protectionism predominated in Brazil. The existence of single prices or government regulated prices led producers not to worry about market conditions, leaving to the government the responsibility of managing prices. With the reduction of government intervention and the failure of the financial incentives for agriculture, agents in this sector must look for new financing instruments for the production and commercialization, and use risk management mechanisms, both for production and for price. The present work analyses the use of futures markets in Bahia. The first article investigates the effectiveness of hedge in the coffee agribusiness in the Vitória da Conquista market and the long term relationship between the physical market and the BM&F during the 1995-2002 period. A regression, having physical (spot) and future prices as explicative variables was used in the model. The results show the hedge for coffee is effective in the Vitória da Conquista market, but also that there is no long term relation (equilibrium) between the physical market and the BM&F. In the second chapter this work is directed to the soybean commodity in the region of Barreiras, and the analysis is for the 1996-2000 period. As in the first chapter the article investigates the effectiveness of hedge for soybeans in the Barreiras market and the long term relationship between the physical XIII market and the BM&F. The results show the hedge for soybeans is not effective, but there is a long term equilibrium relationship between the Barreiras market and the BM&F.-
dc.description.provenanceSubmitted by Nadja Santos (nadjaacs@ufrb.edu.br) on 2013-09-18T19:49:52Z No. of bitstreams: 1 REINALDA SOUZA OLIVEIRA.pdf: 468213 bytes, checksum: 502441110e2ab3518cc1a53f0468997a (MD5)en
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Nadja Santos (nadjaacs@ufrb.edu.br) on 2013-09-18T19:50:20Z (GMT) No. of bitstreams: 1 REINALDA SOUZA OLIVEIRA.pdf: 468213 bytes, checksum: 502441110e2ab3518cc1a53f0468997a (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2013-09-18T19:51:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 REINALDA SOUZA OLIVEIRA.pdf: 468213 bytes, checksum: 502441110e2ab3518cc1a53f0468997a (MD5)en
dc.subjectMercados futurospt_BR
dc.subjectAgronegócio do cafépt_BR
dc.subjectAgronegócio da sojapt_BR
dc.subjectAgronegócio - Bahiapt_BR
dc.subjectHedgingpt_BR
dc.titleO uso de mercados futuros como instrumento de Hedging para o agronegócio do café e da soja na Bahia.pt_BR
dc.contributor.authorOliveira, Reinalda Souza-
dc.referenceOLIVEIRA, Reinalda Souza. O uso de mercados futuros como instrumento de Hedging para o agronegócio do café e da soja na Bahia. 2004. 81 f.: Dissertação (Mestrado em Ciências, Agrárias, Ambientais e Biológicas) - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2004.-
Appears in Collections:CCAAB - Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
REINALDA SOUZA OLIVEIRA.pdf457,24 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.